terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Aeroporto

Aleluia! Aleluia! Aleluia! O Ingenhêro já decidiu! O aeroporto da Ota vai ser em Alcochete! Quer dizer, o aeroporto de Lisboa vai ser em Alcochete. O Bengalão, que sempre defendeu a única solução sensata para a momentosa questão, ou seja, a construção do novo aeroporto de Lisboa em Santa Maria de Lamas, com as pistas forradas a cortiça para evitar o ruído, congratula-se com a decisão, porque estava farto de ouvir todos os cidadãos deste país discutir todos os dias a mesma coisa. O Bengalão acha que assim o país poderá voltar a tratar do Apito Dourado e de outras coisas igualmente importantes. Há só um pontinho, um pormenor que embaça esta tranquilidade aliviada. Então não é que a Ota, não contente por se ver livre dos aviões, resolve exigir ser ressarcida dos prejuízos? A Ota, que digo eu, toda a região do Oeste. A lógica deles é esta: Eles para ali estavam sem fazer nada, ou quase nada, salvo algumas peras rocha para exportação e muito pouco dinheiro. O Ingenhêro, ou alguém por ele, prometeu-lhes um aeroporto. Eles acharam logo que agora sim, iam poder exportar as peras mais depressa. E começaram logo a fazer contas aos patos da Mofina. (Para os Licenciados da Universidade Independente, que podem não entender a alusão, onde se lê "aos patos da Mofina", leia-se "com o ovo no cu da galinha"). O Bengalão comove-se com a ingenuidade de quem crê a este ponto nas promessas do Ingenhêro, mas tem mais a dizer. Se o princípio pega, o Bengalão também quer ser indeminizado. O Bengalão, que tem raízes na Guarda, acha que se a Ota leva algum por não ter aeroporto, a Guarda também tem de levar. O aeroporto de Lisboa também não é na Guarda! E nós nem produzimos peras. E, já agora, nós, uma das cidades mais velhas do país, burgo visigótico elevado a cidade pelas barbas do velho Sancho Afonses, queremos euros, reais, maravedis, pelas outras coisas que se fizeram alhures: O aeroporto, claro, mas também a Torre de Belém, o Palácio de Cristal, a Capela dos Ossos, O Poço de Boliqueime, o Parque Eduardo VII, a rotunda de Abraveses, o Casino do Estoril e a autoestrada do sul. Ai, Teixeira dos Santos, se a moda pega...

1 comentário:

José Luiz Sarmento disse...

Os licenciados da Independente sabem que as galinhas pôem ovos? Não seria melhor dizer "o ovo no supermercado"?